A Hiperactividade vista à lupa

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

 

 

ficaram por baixo as expectativas...sou como sempre sincera em relação a tudo, não poderia deixar de o ser neste assunto

 

primeiro porque da mais de hora e meia de entrevista prévia, com muita informação recolhida pela equipa da produção, esperava certamente mais desenvolvimento no programa! o tempo de conversa foi curto e muito direccionado, da história do Rafa apenas foram referidos certos pontos e não tive possibilidade de me alargar sobre o diagnóstico do meu filho, nem sobre o que realmente me levou a ir ao programa

 

segundo, porque como psicólogo, o Dr. Quintino falou essencialmente do geral, não mostrou ter um conhecimento do caso, nem referiu aspectos que teriam mudado em muito a opinião dos espectadores, principalmente não contribuiu muito para a «dismistificação» deste tema

 

E para que não restem dúvidas:

 

o Rafa está diagnosticado há quase 4 anos. Sempre referi neste blog que o relatório médico indicava uma hiperactividade de tipo impulsivo, em grau severo, inserida num comportamento disruptivo (o tal desvio de conduta/comportamento, referido pelo dr. Quintino) caracterizado por um transtorno de oposição/desafio (apontado no programa). Também lhe foram diagnosticadas várias características de outras comorbilidades, ou seja patologias associadas, tais como a bipolaridade, o síndrome de asperger e certas fobias.

Embora o dr. Quintino Aires tenha mencionado várias vezes que hiperactividade nada tem que ver com agressividade (demonstrada no Rafa em muito das suas atitudes) frisando até que muitas crianças estão mal diagnosticadas e tomam medicação sem necessidade (o que reconheço ser verdade em muitos casos), não admitiu que efectivamente, o comportamento de opositor/desafiante (TOD) é uma das comorbilidades mais comuns na hiperactividade deste tipo (impulsivo) surgindo em cerca de 60% dos casos diagnosticados em rapazes (a percentagem diminui um pouco em relação às raparigas) Este aspecto, por exemplo foi focado nos comentários do blog por uma psicóloga, Tânia Silva que tal como uma outra psicóloga assídua a Susana Miranda, reconhecem estes dados e os focaram em outras ocasiões!

Também não referiu nem me deixou referir que a medicação que o Rafa faz para combater as características da hiperactividade, caso esteja a ser tomada sem necessidade, provoca uma reacção ao contrário do esperado, ou seja, numa criança mal diagnosticada, este medicamento, um psicoestimulante, vai provocar alterações comportamentais, tremores, agitação e alterações do sono. Ora, no Rafa, a medicação acalma, estabiliza e torna-o mais receptivo e atento. Devido ao desvio de conduta o Rafa faz medicação combinada.

Na estratégia de tratamento do Rafa, nunca foi posta de parte a ajuda da psicoterapia, pelo contrário! No entanto, sem medicação, seria impossível o meu filho fazer uma vida «normal» tal como - ir à escola, realizar as suas tarefas pessoais, andar mais motivado e menos agressivo!

Por outro lado, quando o dr. Quintino mencionou o «sossego» do Rafa em estúdio, «esqueceu-se» de referir que o meu filhote passou todo o tempo nos bastidores a saltar de bancada em bancada, levou uma psp para jogar mas que passou o tempo a trocar de jogo, ir à janela, voltar e deitar-se no chão, tirar leite e água das máquinas (para os beber tão atabalhoadamente que entornou mais de metade) etc....e que o «sossego» desta criança de nove anos, foi estar a contorcer-se na cadeira...(ha...e tinha tomado um comprimido rubifen, antes da entrada no estúdio porque senão nem o conseguia levar, aliás ele queria ir a milhentos outros sítios que íamos vendo no caminho e por vontade dele, teriamos feito dezenas de desvios...)

 

A imagem que passou foi a de um delinquente em potência que apenas poderá ser salvo pela psicoterapia, algo que não tenho dúvidas ser imprescindível para treino de comportamento e atitudes mas que por experiência própria, sei que nunca terá resultados num caso de hiperactividade genetica como o do Rafa, se aplicada por si só!

 

Por último e porque não quero ser injusta, dou o beneficio da dúvida às motivações do dr. e aguardar o tal telefonema da sua equipa para me darem a conhecer os psicoterapeutas recomendados aqui no norte, bem como o trabalho que propõem fazer com o Rafa.

 

A todos os que viram o programa, ou mesmo não tendo visto, passaram por cá e nos deixaram palavras de encorajamento, o meu OBRIGADA. Se exponho a minha privacidade e sobreudo a dos meus filhos em alguns orgãos de comunicação, é sempre no intuito de conseguir que a divulgação do tema, traga ajuda a muitos pais e crianças mal entendidos. Ajuda essa que procurei durante mais de 4 anos e que não obtive em qualquer organismo ou pessoas, excepção feita à Linda Serrão através da APCH, cujo trabalho válido deveria ser mais apoiado!

 

 

 

postado energia-a-mais às 09:31

De maebabada a 13 de Outubro de 2010 às 10:42
olá!
pois não vi o programa, mas a ideia que tenho destas coisas é que os "peritos" levam de casa o que querem dizer sobre o assunto, basicamente generalidades (em abono deles, têm que sintetizar ao máximo e têm que utilizar uma linguagem entendivel por todos, portanto têm que generalizar e por vezes tecnicamente não aprofundam por esses motivos) e depois as pessoas que la vão, é para contar a perspectiva deles....mas a interacção entre as pessoas e os peritos é limitada...eles querem falar dos casos gerais e não de um em particular...
beijocas

De energia-a-mais a 13 de Outubro de 2010 às 21:44
Olá! pois é tal como dizes, pouca interacção com o perito mas também compreendo que se generalize...acho no entanto que se deve ter cuidado quando se leva um caso e o perito não tece os comentários adequados ao caso que vai comentar...devia pelo menos mostrar que tinha visto o trabalho da sua equipa da produção
beijocas muitas

De luadoceu a 13 de Outubro de 2010 às 11:23
amiga
eu vi te mais teu filho
mas nunca imaginei,longe de mim,que serias tu mais ele
mas vi te de longe,mais teu filho,nao te minto e de facto,ele estava sossegado na cadeira,mas acho que se me recorda bem da imagem que vi,parecia me tenso,certo?
acredito que venhas desiludida,que o tempos eja pouco para aprofundar a tua situaçao, como dando o exemplo a outros meninos como teu filho
mas valha te a coragemd e enfrentares,alem daqui,no teue spaço e cantinho,publicamente tua situação, de pensares em ti,mas tb mostrares a outras situações o que se passa
psicologos ha muitos, opiniões várias e nunca e demais procurar sempre melhores medicos,para melhores tratamentos
parabens, mesmo de relance, pq de facto lembrei me de ti,vi te na tv,por mero acaso,amiga,por causa da hiperactividade,vi so um pedaço,dpois n consegui
bjos c mto respeito por ti e teu filho

De energia-a-mais a 13 de Outubro de 2010 às 21:49
Olá! sim, era eu e meu filhote! mesmo que uma criança com hiperactividade esteja sentada por 5 minutos, não quer dizer que se coloque em causa um diagnóstico feito com base em muitos critérios e horas de consultas! de resto, uma criança hiperactiva medicada (caso do Rafa) tem momentos de sossego. Mas isso não importa ao caso lol! foi uma experiência interessante e válida à sua maneira, quanto mais não seja porque voltamos a ter o tema num programa de tv!
Beijinhos para ti e tua princesa

De FatimaSoares a 13 de Outubro de 2010 às 11:24
Minha amiga não vi o programa e que pena tenho não só por não te ver a ti mas porque te sinto tão desanimada. Esses pretensos técinos de saúde não são mais que tipos emproados por vezes armados aos cucos e a fazer figura´na frente das câmaras. De lamentar que tu uma mãe dedicada que lutas pelo bem dos teus filhos e por todas as crianças e pais com o mesmo problema sejas realmente mais uma vez como se vê tantas ouvida superficialmente, porque o tempo de antena é mais valioso para tretas insignificantes de assuntos que muito das alturas deixam a desejar. Querida não esmoreças e tem forlça, os teus filhos sabem o que fazes por eles e nós aqui que te lemos admiramos-te e estamos contigo Espermos que o tal telefonema apareça e mais oportunidades tenhas verdadeiramente significativas para expores e obteres ajuda para ti e todos os outros. Um milhão de bjs a todos amiga. Tudo de bom.

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 20:35
Querida amiga, obrigada mais uma vez pelo teu carinho e apoio! realmente tratam-se os temas de modo leviano...mas também, talvez este não seja o programa adequado! será para chegar às massas, no entanto não para passar um mensagem que perdure no tempo!
beijinhos e este fds devo ter novidades do livro (o marido já deve ter lido!!)

De Abigai a 13 de Outubro de 2010 às 12:13
Olá Teresa,
Não tive oportunidade de ver o programa, só me apercebi da tua mensagem no próprio dia e não pude sequer deixar a gravar para ver mais tarde, tenho pena...
Ainda hoje, no café onde habitualmente paro de manhã, a dona (que sabe dos problemas do Gabriel), comentou comigo o programa por ter pensado logo em mim quando viu... Pela conversa dela fiquei com a ideia que tinha corrido bem, ela pareceu-me ter ficado esclarecida em relação à hiperactividade e disse mesmo compreender melhor aquilo por que passo. Nunca pensei que tinha sido tão superficial!
Mas anima-te, mulher, melhores dias e programas virão e ainda temos um livro para escrever, né? Quiça não consigamos esclarecer melhor as pessoas e dismistificar esta problemática.
Sabes, tenho tido pouco tempo desde que voltei a trabalhar até para actualizar o meu blog, mas noto também agora no Gabriel mais tendência para a agressividade e isso está a preocupar-me...
Beijinhos,
Anabela

De Patricia a 13 de Outubro de 2010 às 12:46
Pois é meninas...
Eu tambem noto isso no N., um aumento da agressividade. Será que não será da idade??

A mim...houve um neurologista pediatrico que me aconselhou a comprar um saco de box no quarto...para ele despejar as energias acumuladas e os roupantes de fúria.
Acho que é este ano...que ele vai ganhar no saptinho um saco de box.

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 20:59
a agressividade é uma manifestação que no Rafa assume contornos de desvio de conduta (TOD). Mas nem sempre significa isso, por vezes os hiperactivos, tal como qualquer outra criança, demonstram os seus medos ou frustrações através da agressividade. Há que avaliar a situação e principalmente a continudade ou não, desse comportamento. No Rafa a idade nada tem que ver, ele já era agressivo com puco mais de um ano!!!
beijos grandes

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 20:42
Olá Anabela! bem sei que o tempo é pouco...eu também me queixo do mesmo (estou a trabalhar novamente). Bem, em relação ao programa, eu fui abordada por pessoas que nos viram e acharam que perceberam melhor o que é a hiperactividade(!) mas um cunhado meu, por exemplo, falou com a minha mãe no dia a seguir e comentou de imediato «afinal ele não tem hiperactividade!» ao que a minha mãe respondeu «ele não tem SÓ hiperactividade, já era o diagnóstico feito»...
Mas dei uma gargalhada agora, tens razão, melhores programas virão e o livro viria a calhar!!! bora lá começares a escrivinhar a tua parte hehehe!
beijocas

De mil sorrisos a 13 de Outubro de 2010 às 14:25
Mea culpa e desta maldita falta de tempo... Não vi o porgrama nem li o teu post relativamente à ida à TVI. Pelo relato, parece-me que houve deturpações da real situação do Rafa, poucos esclarecimentos e, principalmente, poucas oportunidades para dizeres o que achavas ser mais importante. Preocupante é um especialista conceituado como supostamente é o Dr Quintino não ter trazido nada de novo sobre o tema tendo, pelo contrário, dado uma imagem errada do que é ser hiperactivo. Fico triste e desiludida por ti, que te expões em nome dos teus filhos e tens como objectivo último a tal desmistificação que, afinal, não aconteceu...
beijos e mil sorrisos
:o)))

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 20:47
Olá amiga, companheira de bloguices e presença querida deste espaço! obrigada pelo teu carinho e por sempre me dares força! não sou de baixar os braços, nem desmoralizar à mínima contrariedade...sei que a tv tem o poder de chegar a muita gente mas nem sempre de modo mais correcto! mas como já foi dito por cá, melhores oportunidades virão! e a ideia de um livro até paira no ar lol!
beijinhos doces

De a 13 de Outubro de 2010 às 18:11
Minha querida, lamento que tenhas vindo de lá desiludia. Que te tenhas exposto pelos teus filhos e que isso de nada (ou quase nada) tenha valido.
Quando um problema como a hiperactividade, com outros estados que se lhe associam, e que não são ainda compreendidos por todos, importa que se desmitifique e que uma opinião válida e validade seja emitida.
É de lamentar que pessoas que pensam que têm o rei na barriga se ponham a c***ar postas de pescada sobre um assunto para o qual não não se documentaram devidamente. E deviam tê-lo feito.
Não vi o programa, infelizmente, mas sei como funcionam essas coisas.
Beijinhos

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 20:53
Olá amiga! desiludida mas nao derrotada! tão pocuo menos certa do diagnóstico do Rafa. Tudo o que já aprendi sobre o PHDA, confirma os critérios tidos em conta e os transtornos que lhe estão associados encaixam em tudo o que se evidencia no comportamento do meu filho! mas a visão pessoal do dr. deixou muito a desejar...
beijinhos muitos

De susana miranda a 13 de Outubro de 2010 às 23:19
Boa noite Teresa,

Como te disse também não tive oportunidade de ver o programa. É de lamentar um tema tão pertinente como a PHDA muitas vezes seja descurado. Quanto ao programa, à falta gestão de tempo, a equipa de profissionais deveriam orientar da melhor maneira.


Lastimar alguns profissionais usem tempo antena em prol da sua imagem e não para desmistificar o estigma sobre a PHDA. Não terem a preocupação de utilizar uma linguagem atingível a todo população, (mesmo utilizando termos próprios da PHDA).

A questão como dizes e muito bem Teresa, poucos pais têm ajuda necessária, quando menciono “ajuda” falta de apoio, esclarecimento e elucidação sobre a PHDA, ao nível organismos (juntas, câmaras municipais, instituições), deveriam fomentar debates sobre esta temática.

Interacção das equipas multidisciplinares, em conjunto com as figuras parentais, as crianças, escolas, própria sociedade civil debaterem em conjunto o tema.

O que sucede as crianças hiperactivas são incompreendidas por parte dos professores, educadores e por vezes pelos próprios pais. Tudo se deve ao facto de as mesmas apresentarem diversos comportamentos, demonstram uma evidente dificuldade em cumprir as regras escolares e em manter-se quietas quando necessário. Muitos pais têm, também a experiência de desesperar com estas crianças, sentindo-se impotentes para gerir situações em que se vêem envolvidos com elas.

Um amplo número de crianças sofre da PHDA, não consegue manter atenção/concentração nem estar sossegados um só minuto que seja e que põem os “ nervos em franja ” a pais e professores.
Catalogados muitas vezes como crianças “ mal-educadas ” estas crianças, vivem num dilema permanente de quererem ser como as crianças e de não conseguirem. (IMPORTANTE NÃO ROTULAR O QUE DESCONHECEMOS).

Relativamente às Comorbiliades da PHDA, perante todos os problemas de desenvolvimento, académicos, cognitivos patentes nas crianças com PHDA, existe a possibilidade de virem a desenvolver outras complicações que podem agravar o diagnóstico e tratamento.

- Perturbações de comportamento Disruptivo (Perturbação de conduta e de oposição);
-Perturbações do Humor (Depressão, Desordem Bipolar);
-Perturbações de Ansiedade;
- Síndroma de Gilles de Tourette e Tiques ;
- Dificuldades de Aprendizagens ;

Nas consultas de desenvolvimento, são efectuados exames próprios bem como em psicologia clínica, onde se detecta se a criança tem ao não diagnóstico da PHDA. Segundo determinados critérios, ter inicio antes 7 anos, maior prevalência nos rapazes.

Cada caso é um caso existem 3 subtipos na PHDA

Tipo predominantemente desatento – sintomas de falta de atenção com poucas ou nenhumas manifestações de hiperactividade e impulsividade.

Tipo predominantemente hiperactivo/impulsivo- múltiplos sintomas de hiperactividade e impulsividade.

Tipo predominantemente misto - evidenciam sinais de falta de atenção, hiperactividade/impulsividade.

Não são seguramente 5minutos de sossego, que modificam um diagnóstico, devido à sua complexidade a PHDA necessita de várias intervenções: medica, psicológica, comportamental e educacional.

Amiga, não te deixes desencorajar nem desanimar. Sabes a minha opinião a teu respeito.
Mulher com M (grande), enorme carinho e dedicação à família.
Livro é para as meninas pensarem em fazer (o recado é para ti e Anabela).

Beijinhos com ternura

Susana Miranda



De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 21:15
Querida Susana! só posso mandar mil beijinhos pela disponibilidade e esclarecimentos, estes sim, bastante úteis para quem precisa saber mais! tal como dizes, a intervenção nestas crianças deve ser multidisciplinar...e um psicólogo não deve dizer (na minha opinião) que um neuropediatra não está habilitado a fazer um diagnóstico de perturbaçao de conduta! Até porque se eu tivesse alguma dúvida, o neuropediatra do Rafa, escreveu no relatório o que lhe diagnosticou!
do livro, se um dia vier a sair (Anabela também é para ti) também terás umas palavrinhas a escrever, lol!
Beijos muitos, de coração!

De Rafaela a 14 de Outubro de 2010 às 12:42
Ola!! Mas que pena eu tive de não ver o programa!! Eu sempre achei que eles generalizam demais os temas que´lá são abordados... sempre achei que são rudes no que dizem e realmente confirma-se pelo teu depoimento!
Metem por vezes lá "médicos" rascas que nem sabem bem o que estão a argumentar.
Por isso amiga, não ligues nem desanimes só por causa de um mero programa que vive á custa de casos ao qual generalizam demais!
Enfim... não se dá o devido valor ao que está bem á vista!!

um beijinho minha querida amiga!!

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 21:19
Querida Rafaela! tens toda a razão, generalizam demais! é um bom entretenimento mas não passa disso, no fundo tenho de reconhecer que um programa deste genero tem de ser generalista!
mas, enfim, acho que existe sempre algo positivo em todas as experiências, assim também houve algo de bom, falou-se do assunto e algumas pessoas, pelo menos já se questionaram e pretendem saber mais!
beijihnos doces

De Maria Pereira a 14 de Outubro de 2010 às 12:45
Eu vi, eu vi, eu vi!!!!! Não estava em casa mas deixei a gravar e vi ao fim do dia. Estavas bem gira e o teu Rafa é lindo! Em relação ao resto, amiga, que te hei-de dizer? Que este tipo de programas deixa sempre um pouco a desejar pois o que querem é explorar o lado do "desgraçadinho"? Que ficamos sp desiludidas com o sumo do que por lá se diz? Nada a fazer...

Eu tb já fui ao Programa do Goucha falar sobre infertilidade e fui a mais uma meia duzia de programas desses género e de outros e confesso que foi um daqueles onde fui menos ouvida e pouco saiu dali. Vale sempre a pena divulgarmos a nossa causa e dou-te os mais sinceros parabéns por não te importares de te expores para que outros não se sintam sozinhos.

Ah e claro, eu pessoalmente adorei ver-te e ao teu menino

Bjs grandes

De Tânia Silva a 14 de Outubro de 2010 às 13:45
Olá Teresa
já sabe a minha opinião sobre o assunto e agrada-me essa referencia ao longo do post.
Não desista de desmistificar a perturbação, mas eu tentaria outro canal para o efeito que a TVI é do maior dramatismo que já se viu... talvez a Sic ou Rtp.
Só mais uma coisa que me esqueci de lhe dizer no outro comentário, para além de ser bem visível que o Rafa não se mantinha quieto na cadeira, achei totalmente errado ninguém ter dirigido a palavra ao Rafa ao longo do tempo em que esteve em directo. Que essa atitude venham dos apresentadores não me espanta, agora pelo menos o Quintino Aires podia ter tido esse cuidado uma vez que é errado falar deste assunto como se o miúdo não estivesse ali a ouvir tudo e a absorver informação...

Teresa um beijinho e força :)


De Patricia a 14 de Outubro de 2010 às 15:40
Já se sabe...que o objectivo são as audiencias!!! E o que conquista audiencias? As polemicas...as desgraças!!
E depois lá me diz a minha sogra: Que eu tenho muita, muita sorte pois pelo que ela ve nos casos que levam a televisão há casos muito, muito piores, que nós ate conseguimos ter uma vida normal!!
Pois é essa a mensagem que os media passa sobre o PHDA!!!

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 21:30
Tânia, será sempre bem vinda por cá e agradeço os seus comentários ao tema! o facto de não falarem com o Rafa também mexeu comigo, como diz, seria adequado terem, ou pelo menos, ter tido o dr. algum cuidado nisso, até porque era o Rafa o tema de fundo da conversa! enfim...mais um dos tais «encurtamentos» em nome das audiências....
bejinhos

De energia-a-mais a 14 de Outubro de 2010 às 21:24
Olá linda! obrigada pelo teu carinho! realmente tu amiga, sabes bem como isto funciona! temos de nos sujeitar às regras e nem sempre passamos a imagem que queriamos!
o que dizes no final transmite o que sinto - se alguém dá a cara, outros na mesma situação sentem-se mais acompanhados!
beijinhos querida, para ti e para os teus príncipes!


mais sobre mim
que querem saber?
 
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
14

17
19
22
23

27
28

31


disseram agora
Bem, vou directo ao assunto!!Sexta-feira, recebo u...
Boa tardeAlguem tem um feedback possitivo do curso...
Boa Noite. O Pai da minha filha está no Luxemburgo...
Gostaria de saber se conseguiu resultados com este...
Eu recebi pela primeira vez o abono no final do mê...
Boa tarde ,Inscrevi na semana passada a minha filh...
Obrigada. Espero conseguir. Bjs
Deve receber de facto agora em Janeiro os valores ...
Eu em Julho de facto recebi a 27 no entanto apenas...
Olá Marlene, o abono semestral (se a mãe tiver ren...
links

blogs SAPO


Universidade de Aveiro