Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

27.Jul.09

Neurofeedback

no tratamento do TDAH

 

este é um post mais sério, que poderá ser mais interessante para quem tem filhos diagnosticados com Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperactividade. Decidi partilhar aqui este tratamento que conheci em 2005, por ver que existem muitos pais que ainda o desconhecem e por saber que está hoje mais fundamentado do que quando o discuti a primeira vez com o neuropsicólogo que mo apresentou.

 

Em verdade eu não considero que este seja um tratamento alternativo à medicação, mas antes um método que permite obter um reforço dos resultados, principalmente em crianças que tendo já sido medicadas, passam aquela fase da mudança de idades em que se coloca a hipótese de retirar ou manter a medicação.

 

Em que consiste

 

Na aplicação de eléctrodos através do couro cabeludo. É um método natural e não invasivo. O paciente não recebe descargas eléctricas ou magnéticas.

Os eléctrodos captam as ondas magneticas emitidas pelos neurônios. Essas ondas são enviadas a um computador que as descodifica e as transforma em imagens reais do funcionamento do cerebro. Num cerebro afectado pelo TDAH, as ondas em maior quantidade são as lentas (daí usar-mos estimulantes para os acalmar...) e tenta-se por isso reduzir as ondas lentas e aumentar as mais rápidas.

Assim criou-se uma espécie de jogo de vídeo em que o jogador (paciente) tem de começar a dominar a quantidade de ondas emitidas, segundo um processo comportamental chamado reforço condicionado. Ele pode identificar e alterar voluntáriamente o modo como  seu cerebro responde a várias situações, sendo então possível obter maior controlo sob as suas acções.

 

O tratamento requer várias sessões, dependendo do tipo e do grau diagnosticado. Normalmente varia entre as 30-45 até 60 sessões. Parar antes das 30 não garante (pelos estudos existentes) continuidade nos resultados.

Também se verificou que as crianças medicadas e que em simultâneo fizeram este tratamento obtiveram melhores resultados do que as que receberam apenas o tratamento, embora os resultados positivos perdurassem mais tempo após deixarem o medicamento, quando tivessem recebido tratamento por neurofeedback.

 

Na minha opinião é um tratamento que pode ajudar a estabilizar a criança e proporcionar maior capacidade de auto controlo, auto planeamento e auto gestão.

Pode ser uma mais valia quando usado em conjunto com a medicação e eventualmente outros métodos terapêuticos e psicológicos.

 

Gostava de saber a vossa opinião e partilhar experiências nesta área!

 

 

27.Jul.09

e ganharam os....

vermelhos, grrrrr! isto para quem é do Benfica até doi....

 

pois, decididamente os miúdos esquecerem por completo o nosso acordo, não houve direito a trocar pinos por Gormiti e o Quico nem se lembrou das «pendinhas»!

A única coisa que fizeram durante o fds foi mesmo, atacarem-se e brigarem por tudo e por nada, ou seja por coisa nenhuma.....eu passei o tempo a recordá-los do que estavam a perder e a dizer «não» a tudo o que me pediam, como forma de os castigar!

O sábado foi por isso terrível e não deu para descansar um segundo...como previ que o domingo entrasse pelo mesmo caminho lá resolvi pensar em alguma coisa....

 

cheguei ao cúmulo de ter de arranjar programas diferentes para cada um deles....

Tinha pensado em festejar o dia dos avós com um lanchinho  cá em casa mas como tive a casa em alvoroço todo o dia e não consegui deixar nada em ordem, pedir ajuda à avó tirava a piada e deixar as coisas rolar seria pior, resolvi convidar os avós e a bisa para um lanche fora de portas...só que foi impossível pegar nos dois pestinhas, estavam tão eléctricos que achei melhor nem insistir....

 

Num palpite de última hora acabei por convençer o Rafa a ficar comigo e os avós passarem um bocado com o Quico. Assim os avós conseguiram divertir-se com o neto mais novo no relvado com uma bola e o Rafa foi ao cinema, o que numa sala meio vazia, até correu bem porque ele estava à vontade, passando metade do filme a saltitar na cadeira. Fomos ver

 

http://docasnasasasdodesejo.blogs.sapo.pt/2009/07/21/

 

e rimo-nos com todas as aventuras dos personagens 

 

No final ainda fomos a  minha casa para em conjunto com o resto do pessoal fazer-mos um lanche «ajantarado», onde os miúdos ofereceram uma flôr aos avós e um desenho feito num momento de inspiração!

 

Agora, última semana de campo de férias e infantário, tenho de continuar a tentar impôr mais paz entre os dois, pelo que mantenho o tal quadro de cortiça mas mudei o incentivo para «não terem pinos verdes, significa não ter férias com o pai...»

 

A ver vamos se o plano resulta!