Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

02.Jun.10

razoavel?

 

 

 

pedir ao Rafa que seja razoavel é o mesmo que lhe dizer «porta-te bem»

 

conceitos vagos que ele não consegue entender

 

 

Ontem, dia da Criança, estava previsto muita agitação - o dia começou com as típicas dores de barriga, sinónimo da ansiedade que ele sempre vive quando espera sair da rotina. Na escola iam ter um dia de animação nas piscinas municipais, com direito a banhos e muitos insufláveis.

 

Não quis vir almoçar a casa, pois queria ter a certeza que não perdia pitada, por isso só o vi ao final do dia...entrou esbaforido, de cara suja do pó e das lágrimas que teimava em reter e com aquele ar que tão bem conheço de quando as coisa não estão bem...

 

Pensei numa zaragata mas afinal ele magoou-se num pé ao chutar a bola, com chinelos de dedo...fez um raspão e tinha um pouco de sangue! seria razoável pensar que não era caso para tanto alvoroço...

 

O Rafa vinha transtornado, de nada valia tentar chama-lo à razão! Para ele, o pé estava em muito mau estado e a culpa era do miúdo que tinha jogado a bola, porque a mandou muito perto da parede...

 

Tudo o que tinha pensado fazer para o final do dia - um lanche mais composto, onde incluí frios, bolo e outros aperitivos, não lhe interessava. Gritava, chorava, não deixava que lhe tocassem. O Quico andava atarantado, sem perceber porque é que o irmão não prestava qualquer atenção à mesa com as iguarias. Depois acabou por «pegar» a agitação do mano e ficou eléctrico também....

 

O que levou a um festejo do dia da Criança bem diferente do que eu idealizara (mas normal para quem convive com a patologia da hiperactividade) - mesa desfeita, batatas fritas pelo ar, papel rasgado, azeitonas a servir de arma de arremesso, muita gritaria...

 

Os adultos a tentarem normalizar mas sem colaboração dos miúdos, a tarefa era complicada. Lá íamos tentando pôr a ordem possível, separando os dois sempre que se engalfinhavam e tentando desviar a atenção deles para as prendinhas que escolhemos

 

Foi uma luta, estilo «vale tudo»...até uma almofada voou para fora da janela (e logo foi trucidada pelos cães dos meus vizinhos).

 

Mas se há coisa que sou é teimosa - teimei que devíamos ser razoáveis e que teríamos de tirar proveito do que eu me esforçara por arranjar especialmente para eles...e por isso

 

depois de tanta loucura, consegui pôr um em cada ponta da mesa, re-arranjei os petiscos, cantamos uma cantilena infantil, cortamos o bolo (daqueles gulosos, com chocolate, crocante por fora e cremoso por dentro, com gomas a enfeitar) e demos o dia por razoável!

 

Adormeceram no meu quarto, tarde da noite agarrados às prendinhas - o Rafa com um livro de anedotas e o Quico com uma figura do seu favorito Ben10....