A Hiperactividade vista à lupa

Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

 

 

Pois então lá continuo eu dando provas da minha via direta para o IEFP

 

Depois de uma manhã perdida em que me acabaram por dizer que tinha de entregar em papel um modelo tal, tal...regressei ao centro de emprego e enfrentei a mesmíssima fila de gente. Estive até às 09h45 para obter a senha de acesso, para, por volta das 10h00 uma funcionária avisar o pessoal de que estavam «sem sistema» informático. Portanto a tal funcionária que não podia garantir um regresso à normalidade, aconselhava as pessoas a aguardarem mais algum tempo antes de decidirem o que fazer....A maior parte das pessoas acabou por ficar à espera e com muita paciência (receando certamente ter de voltar noutro dia) e foram sendo atendidos em conta gotas (agora temos sistema - opss, já não temos outra vez...isto toda a manhã!!!) Para cúmulo, quando chega a minha senha, o sistema colapsa novamente e dessa vez pediram-nos para regressar-mos apenas depois das 14h00...

 

Munida da minha mais santa resignação voltei então depois de almoço. Confesso que a lógica do atendimento me escapa completamente. Alguem percebe porque é que para um único assunto (requerimento subsídio) é necessário passar por três mesas diferentes?! ainda por cima na primeira mesa parece que apenas se destina a confirmar que ali estamos, para fazer um requerimento de subsidio....na segunda somos atendidos por um técnico de emprego que nos pede informação sobre experiência profissional e atualiza a nossa inscrição, colocando os nossos interesses em termos de trabalho, supostamente para depois sermos orientados da melhor forma, na procura de emprego.

A terceira mesa destina-se a preenchimento de papelada para a segurança social e tambem nos é fornecida uma data para uma sessão de esclarecimento e entrega de documentos do IEFP, nomeadamente a nossa obrigação em procurar emprego e aceitação das condições de acesso.

 

Agora tenho de me começar a apresentar periodicamente na junta de freguesia, sendo que estou também obrigada a fazer pelo menos a entrega de um currículo semanal, como prova de que estou ativamente à procura de trabalho....

 

Por enquanto aguardo que me dêm resposta sobre se vou ter ou não direito a receber prestações de subsídio de desemprego, coisa que deve demorar aí uns dez dias (segundo me disseram pode ser mais...) e que deverá acontecer por carta ou via e-mail dado que tenho senha da segurança social direta. 

 

postado energia-a-mais às 10:28

Domingo, 15 de Janeiro de 2012

 

pergunta-me o Quico

 

«quem é este mamã? é dono de um circo?»

 

imagem tirada da net

 

 

não sei como é que o Quico foi buscar a ideia de que «aquilo» é um senhor mas minha a resposta foi esta

 

«sim amor é dono de um circo! e sabes, os senhores advogados, os senhores juízes do tribunal e estes senhores jornalistas são os seus macacos amestrados, ele faz deles o que quer!!!»

 

como é isto possível???? então pode-se entrar em tribunal trajado desta forma??? e o respeito??? e a forma como é tratado pela imprensa?? juro que cada vez percebo menos o que se passa à minha volta!!!!!

 

 

postado energia-a-mais às 08:51

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012

 

 

diz o Rafa que agora para ajudar a economia do país, devemos comer um milhão de pasteis de nata {#emotions_dlg.lol} Só ainda não percebeu se só os portugueses devem comer o tal milhão de pasteis ou se é para os estrangeiros comerem...porque pensa ele, o pastel agora vai ser da Humanidade....mais ou menos como o fado

 

Ele e o avô discutiam a questão ao jantar. O avô tentava explicar porque razão o exemplo do ministro não foi muito feliz mas o Rafa apenas conseguiu reter a parte do milhão de pasteis - da conversa veio também a questão da responsabilidade dos políticos naquilo que dizem. Na escola do Rafa andam em campanha para a eleição de nova associação de estudantes. A avó perguntou-lhe se ele já sabia em quem ia votar...ele respondeu que não iria votar em ninguém, só queria mesmo era as coisas que davam - como os lápis, blocos, etc...

 

Concluiu que se algum grupo (lista candidata) lhe desse um pastel de nata, isso seria mesmo bom - mas não o suficiente para o fazer votar! 

 

imagem tirada da net

 

 

 

 

postado energia-a-mais às 09:07

Quarta-feira, 11 de Janeiro de 2012

 

 

tal como prometido cá vou relatando a minha saga no duro percurso de desempregada recente

 

Comecei a tratar da papelada junto do IEFP para poder requerer o subsídio de desemprego, uma vez que é precisamente para isso que existe um sistema social de proteção....ainda existe, certo? é que não ouvi os noticiários da noite....todos os dias regras novas....

Bom, pelo menos parece que tenho direito a algum tempo de ajuda que permite estabilizar financeiramente o desiquilíbrio que a minha condição de desempregada gerou...No entanto para poder iniciar esse processo é obrigatória a inscrição no centro de emprego, apresentar os documentos comprovativos da minha situação e estabelecer um compromisso de «procura activa de emprego» - juro! é que não podiam ter escolhido melhor frase!!!

 

Cá vou eu então, dia 1 da minha aventura, decidida a «aguentar» com os obstáculos habituais, os que ouvimos falar todos os dias - looooongas filas e muuuuita burocracia!

Confesso - não pensei que as filas fossem tão loooooongas e quanto à burocracia - é de gritos!!!!

Então primeira constatação: as pessoas vão pela madrugada para a porta do IEFP - tipo 6H00 da matina....Qualquer dia fazem direta com sacos cama e termos com café...Quer isto dizer que pelas 8h30 já a fila ia bem longa e o centro só abre às 9H00. Portanto até chegar à fase de triagem das senhas cedidas pelo segurança (tendo em conta o assunto) tive de aguentar mais hora e meia...

Segunda constatação: a unica forma de «fintar» a fila é ser-se cigano/romeno ou de outra etnia que implique muita criançada aos berros, roupas a cheirar mal e tosse cavernosa - esses foram chegando já bem mais perto das 10h e sem qualquer pudor, foram atendidos com prioridade....acreditam que entravam aos pares com um bando de putos e quando saiam esses, entravam outros com os mesmos putos a reboque?! 

Terceira constatação: nunca se deve confiar na triagem - a maior parte das vezes ela é enganadora e a primeira senha que nos dão não serve para nada a não ser esperar mais um par de horas....

 

Depois de me terem dado a senha correspondente ao assunto a tratar e me terem garantido que tinha os documentos necessários (comprovativo da cessação de contrato feito pela entidade patronal e entregue através da net no sítio da segurança social, bem como documentação pessoal) lá fico entre as mais de quinhentas pessoas do dia (a minha senha: 510) e aguardo...e aguardo...e aguardo...a manhã inteira. Até que passa a manhã e continuo a aguardar...e mais um bocado...até às 13h00. Finalmente a senha 510 pode dirigir-se à mesa 2.

 

Nova constatação - a burocracia existe mesmo! A funcionária olha para o tal comprovativo e diz «isto está mal» quê??? será que ouvi mesmo isso??? estarei a alucinar depois de tanta hora de espera?? Não, não ouvi mal. Ela diz que aquele papel não tem as informações necessarias - data de fim de contrato (?) mesmo que esteja lá mencionada...porque não pode ser aquele papel...tem de ser o modelo 4055. Que tem as mesmas informações mas é um papel...não é um comprovativo de entrega pela net....Mas e então porque é que no Guia fornecido pelo IEFP diz que a entidade patronal pode entregar através da net o comprovativo da cessação de contrato se depois o IEFP não aceita esse comprovativo???!!! A funcionária não sabe...a funcionária só sabe que tem de ser o modelo 4055 em papel, com a assinatura e carimbo da entidade patronal e com a tal data que comprova que já lá não trabalho desde....

Mas então porque é que no modelo 4055 vem a informação de que aquele documento pode ser entregue pela entidade patronal através da net, sendo dado ao trabalhador uma cópia comprovativa? ou seja, aquilo que eu levava...A funcionária não sabe mas acha que o tal comprovativo não comprova nada...por isso tenho de levar à antiga entidade patronal o tal modelo para eles assinarem e carimbarem e só depois poderei ser atendida. Para o que terei de tirar nova senha...e a saga continuará assim que lá voltar!!!

 

 

postado energia-a-mais às 09:09

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

ou como o meu mundo não para nem se compadece com tristezas ou incertezas

 

 

A vida continua ao ritmo natural da hiperatividade que contagia toda a  família. O Rafa tem andado na definição de muita gente «impossível»...porquê? porque não escuta ninguem, não para um segundo, não pensa antes de agir e por isso, qualquer situação rapidamente se transforma num caso sério de agitação.

 

Exemplos - tomar um banho. Ultimamente por ter condições que o permitem, tenho tentado dar banho aos meus rapazes, ao mesmo tempo. O Quico adora a ideia de partilhar a banheira com o mano mais velho e eu consigo controlar os dois no mesmo sítio no mesmo momento, o que é bem melhor do que ter apenas um debaixo de olho (enquanto o outro faz asneirada...). Só que para o Rafa um simples banho acaba em tormenta tal a impulsividade - ou porque sente a água muito quente, ou porque acha a casa de banho fria, ou porque o irmão mais novo ocupa (na opinião dele) mais espaço do que devia....ontem estive a pontos de os atirar pela sanita aos dois tal a algazarra que fizeram - o Rafa achou que o irmão o molhara (qual o problema se estava na água???!!!) e por isso quis retribuir fazendo sair toda a água da banheira alagando o chão literalmente. E quando eu me esforçava por manter as coisas minimamente sob controlo, os dois engalfinharam-se, o banho ficou por tomar, eu tive de os separar à força bruta, coisa que é quase impossivel pois dominar o Rafa em momentos de descontrolo só mesmo o famoso Hercules....

Brincadeira no sofá - começou por ser inocente e até ternurenta com os dois fazendo cócegas um ao outro, só que de repente o Rafa lembrou-se de brincar aos monstros e o Quico alinhou saltando-lhe por cima. O Rafa não gostou, lançou o irmão pelo ar e este acabou a bater com a orelha  e cabeça na mesa de apoio junto ao sofá - ficou com um papo enorme, todo preto e claro com baba e ranho por todo o lado.

Hora de deitar - enquanto estou a tentar fazer o Quico deitar, o Rafa faz barulhos com a boca e teima em dar saltos na cama de cada vez que se muda de posição, pede água só por pedir e dá estalinhos com os dedos - o Quico farto de o ouvir começa a uivar como os cães....e jura que vai buscar uma faca, algo que ele sabe que deixa o irmão em pânico. O Rafa salta de imediato da cama e com o impulso faz-me cair...O Quico entra em histeria, o Rafa tapa os ouvidos com as mãos e grita ainda mais alto...a coisa descontrola-se por completo até eu conseguir recuperar da situação...

 

As idas para a escola consomem como sempre uma grande quantidade de energia (minha). Fazer com que saiam de casa implica uma preparação de mais ou menos duas horas, portanto tenho de iniciar o ritual por volta das 06h30...Como acordam cedo, se os deixo «à solta» nunca mais os faço entrar na ordem. Então o alinhamento das coisas é pensado em função da duração de cada tarefa, sabendo de antemão que cada uma implica uma determinda batalha - vestir o Rafa - digo-lhe onde está a roupa e o que deve vestir primeiro, relembro que deve tirar o pijama, entretanto antes de iniciar ele vai à casa de banho e demora muito tempo até começar a sua higiene...que por norma nunca completa, depois de o chamar de novo à atenção ele vai voltar para a cama, saltar umas quantas vezes, fazer birra porque não quer ir à escola, eu uso o meu estilo militar e termino com o usual «não há discussão possível». Ele vai voltar à casa de banho, dar umas corridas pela casa, ligar o pc e a consola (que depois vou ter de o lembrar para desligar), vai fazer birra porque não quer almoçar na escola, vou ter de fazer novamente finca pé, ele vai vestir lentamente a roupa, quase sempre sem trocar alguma peça do pijama...Entretanto o Quico já iniciou o seu próprio ritual. Vai para a minha cama pois quer ver os desenhos animados na TV.  Depois faz birra para não tomar o pequeno almoço, vai para a sala e quer vestir-se lá. Depois faz birra para não se deixar vestir (ou não vestir o que escolhi...). Tira a roupa e vai para a casa de banho onde se demora a lavar os dentes e diverte-se a fazer desenhos com a pasta no espelho - e faz nova birra por causa da roupa. A seguir começa a terrivel birra para não ir à escola....que se prolonga até à escola....

No último segundo antes de bater a porta, quando já estamos no átrio para chamar o elevador, com o Quico a espernear no meu colo porque quer ficar em casa, o Rafa vai entrar novamente porque lhe dá uma daquelas «vontades» que tem mesmo de ser...e corre para a casa de banho. Antes de passar o testemunho ao avô para que os leve de carro até às escolas, ainda tenho de subir para ir buscar algum brinquedo que se tornou imprescindível ou algum cartão que se esqueceu....

 

e a Vida continua!

tags: , , ,
postado energia-a-mais às 09:07

Quinta-feira, 05 de Janeiro de 2012

 

 

ou como o desemprego muda tudo....

 

Pois é! o início deste ano trouxe uma daquelas alterações à vida que nos deixam com pouca vontade de dar as boas novas...Com dois cursos superiores, mais de 15 anos de licenciatura, com altos e baixos no percurso profissional, estou mais uma vez no espaço de três anos, sem emprego. A trabalhar na área da saúde, uma das que mais cortes sofreu por parte deste governo, vi o meu posto de trabalho a ficar cada vez mais em risco até à queda fatal, no final de dezembro - era inevitável, gente a mais (para uma clínica que viu reduzir a sua faturação em mais de metade) e contrato de trabalho a terminar, era eu sem dúvida o elo mais fraco - vim embora... Admito que ainda com um misto de sentimentos que vão da frustração à raiva, da saudade à angústia da perda. Muito dei de mim e muito trouxe comigo, das colegas de quem fiquei amiga, das coisas que aprendi, dos momentos sem ponta de monotonia, alguns episódios inesqueciveis! Continuo assim, tal como com o primeiro trabalho, genuinamente interessada, fazendo de cada etapa uma aprendizagem...pena de que por enquanto, não possa dizer que isso me tenha trazido estabilidade - ou tenha sequer valido a pena!

 

Não está a ser fácil habituar-me sem desatinar...ficar à mercê de um qualquer subsídio não é um plano de vida. Mas arriscar, principalmente quando há tanta coisa a correr mal neste país, também não me parece uma alternativa risonha...Precaridade começou a ser uma palavra demasiado presente no meu dia a dia! como se não bastassem as dificuldades normais de rumar contra a maré, vejo-me agora sem remos - em águas turbulentas, com mais dois a bordo e um destemido (marido) que tenta manter o barco à tona....

 

 

 

Tratar de todo o processo burocrático de acesso ao fundo de desemprego é absolutamente desgastante. Desanimador quando se chega a uma instituição como o IEFP e logo pela manhã se tira uma senha de atendimento com o nº 570....numa sala a abarrotar, vejo pessoas de todo o tipo e basicamente todas com o mesmo ar que sei que vou ter daqui a algum tempo (coisa que nunca esperei dizer...) resignado! Lá se vai cumprindo o ritual - inscrição no centro de emprego, prova da situação em relação a descontos efectuados nos últimos 450 dias, o funcionário que nem nos ouve lá faz o preenchimento on-line do requerimento para subsídio e pronto - estamos oficialmente à espera de....coisa nenhuma! sem ilusões, já perto dos 40...cá irei dando conta desta minha «nova» luta - e prometo, sem esconder o que me vai na alma! e se alguém se revir na situação faça favor de intervir!

 

Manter a rotina com os miúdos está a ser complicado - eles já perceberam que a mãe passa mais tempo em casa e em horários em que antes eram os avós a comandar - o problema é que se lhes explico que estou desempregada, a ordem das coisas (levantar, sem margem para demoras, vestir, ir à escola...) fica logo alterada. Optei então por lhes dizer que por enquanto a mãe está a fazer um horário diferente do anterior - faz o mesmo trabalho mas sem pausas e assim está em casa mais cedo - o que até é uma meia-verdade, pois acabo por passar mais tempo no núcleo da APCH, obrigando-os a sairem de casa à hora habitual. E assim vamos indo, aos tropeções, com a vida suspensa....

 

postado energia-a-mais às 08:08

Terça-feira, 03 de Janeiro de 2012

 

 

do Novo Ano

 

depois de duas crises terríveis do Rafa no último dia do ano de 2011 e outra no primeiro dia de 2012, nada do que vem pela frente me pode surpreender

 

 

Na minha cabeça os preparativos para o fim de ano não ocuparam muito espaço. Tento controlar-me para o que de novo 2012 me reservou mas na verdade, ainda estou numa fase de adaptação e tudo me parece distante - talvez por isso, esta «passagem de ano» nao me tenha entusiasmado como em anos anteriores e nem mesmo os miúdos elétricos que tenho, sempre a pedirem novidades, me tenham despertado a imaginação...

 

Ficamos por casa, com mais ou menos sobressaltos, com o Rafa a ter em pleno dia 31 uma valente crise, obrigando-nos a um esforço suplementar para acalmar a situação (cada vez que o Rafa fica fora de si, o Quico reage de modo perturbador - desta vez escondeu-se debaixo da mesa da cozinha e tivemos de passar mais de uma hora para o tirar de lá...) o que bastou para nos pôr os nervos em franja e sem grandes vontades para festejos....Sinceramente fiquei o resto do tempo a pensar em como seria complicado ajustar a minha maneira de lidar com o Rafa, ao modo como o pai lida com ele....Se bem que haja muito diálogo entre nós sobre os nossos filhos, com a agravante da presença física do pai ser cada vez mais rara, sinto que a distância se acentuou no último ano e com o natural crescimento do Rafa, fica ainda mais difícil concertar estratégias...se a vida com o Rafa é uma aprendizagem contínua, temo que o pai nao consiga aprender o suficiente para superar as dificuldades - eu própria acho que preciso de ficar mais atenta ou corro o risco de não passar nos testes...

 

Enfim, à nossa maneira lá entramos em 2012, juntamente com os avós, apesar de tudo com alguma disposição, fruto de um misto de traquinice e curiosidade do mais novo, este ano absolutamente decidido a brindar «vai a cima, vai abaixo, vai ao centro e....vai pra dentro!!!»

Cenas caricatas - a do Rafa, sempre apressado que queria engolir de uma só vez as 12 passas da praxe e que obviamente se engasgou....o mano que foi em seu socorro acabou por encontar motivos para bater nas costas de todos os presentes, a bisa que se recusou a comer uma sopinha preferindo as iguarias mais «apimentadas» que estavam sobre a mesa...

 

 

 

No dia de Ano Novo, festejamos os 40 anos de casados dos avós, motivo para, com a ajuda do Rafa, oferecer um pequeno filme editado em casa, recordando alguns dos momentos mais marcantes na vida dos meus pais. Por ser com a ajuda do Rafa, o flme foi mais curto do que eu previra inicialmente, pois a pressa com que quer terminar qualquer projeto que lhe interesse fá-lo querer acabar tudo rapidamente - assim, o número do fotos usadas, o tipo de efeitos, as legendas, etc, acabaram por ser reduzidas...mas como o que conta é a intenção, os avós adoraram e até se emocionaram enquanto viam o DVD.

 

 

 

que os dois ainda tenham muitos anos juntos pela frente!

 

E assim entramos definitivamente num ano que será para mim, o de maior desafio de que me lembre...desafio que poderá não ser muito positivo e para o qual terei de me preparar....mesmo que isso signifique alterar radicalmente o rumo da minha vida...

 

postado energia-a-mais às 09:04

mais sobre mim
que querem saber?
 
Janeiro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12
14

21

22
23
28

30


disseram agora
Bem, vou directo ao assunto!!Sexta-feira, recebo u...
Boa tardeAlguem tem um feedback possitivo do curso...
Boa Noite. O Pai da minha filha está no Luxemburgo...
Gostaria de saber se conseguiu resultados com este...
Eu recebi pela primeira vez o abono no final do mê...
Boa tarde ,Inscrevi na semana passada a minha filh...
Obrigada. Espero conseguir. Bjs
Deve receber de facto agora em Janeiro os valores ...
Eu em Julho de facto recebi a 27 no entanto apenas...
Olá Marlene, o abono semestral (se a mãe tiver ren...
links
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro