A Hiperactividade vista à lupa

Segunda-feira, 04 de Março de 2013

 

 

se há coisa que continua a suscitar em mim uma dúvida imensa é a validade da punição numa criança com PHDA...

 

 

Não que eu não entenda a necessidade de diferenciar o bem do mal, de mostrar o que está errado e definir regras e limites. Caso os meus filhos não estiessem diagnosticados com perturbação de hiperatividade, teria eu outra postura...bem mais branda certamente, pois tenho a noção de que cá em casa, o regime é quase «militar». Desde a hora de «recolher», à hora de despertar, tudo tem uma sequência e uma estratégia bem montada. Nada do que faço aqui em casa, quer em termos de regras, quer em métodos, é feita ao acaso - claro que até encontrar a que funciona, pode demorar algum tempo e muitas das vezes os erros que cometo, servem para melhorar a próxima tentativa.

 

Demorei muitos anos a afinar este tipo de organização, dentro do caos que provocam dois miúdos com hiperatividade, acho que me safo bem. A mim eles obedecem, acredito que sintam o meu pulso e que sabem os limites - como qualquer criança muitas vezes esticam a corda mas se assim não fosse, não seria «normal». A principal ferramenta que uso é a coerência. Tento ser o mais coerente possível, se lhes peço que não gritem, não vou eu gritar com eles, certo? se lhe digo que não podem faltar-me ao respeito em termos de linguagem, não vou eu dizer meia dúzia de palavrões para os chamar à atenção, verdade? Se exijo que respeitem a hora de deitar e as rotinas de higiene e de sono, não vou estar a fazer diferente deles, claro! e, obviamente (pelo menos penso assim) não vou usar a palmada, o bater, a violência, por sistema, se o que quero é que não sejam agressivos e que aprendam a usar a palavra em vez do confronto físico...

E mesmo que isto obrigue a anos de «treino» eu sei que alguma coisa vai de certeza ficar para o futuro. 

 

Desconfio que para muitos pais, isto seja encarado como permissividade. Para mim é resiliência. Sei que tenho de ter paciência, muita e que me cabe a mim ser resiliente. Esta capacidade de luta pode fazer toda a diferença!

Assim, como mãe de dois com PHDA, garanto que uso poucas vezes os castigos como forma de punição. E talvez por isso, quando aplico realmente um castigo, faço-o por distinguir o motivo, ou seja, não vou castigar os meus miúdos porque correm dentro de casa, porque saltam cadeiras, porque falam alto demais para os padrões «normais» ou porque não se conseguem manter quietos e sossegados mais de dois minutos de cada vez - aplicar um castigo por razões que são manifestamente consequências da sua PHDA não faz para mim qualquer sentido. 

 

Se em casa isto resulta, o que dizer dos castigos que lhes aplicam na  escola? Será que os entendem? será que o castigo vai funcionar como um alerta na cabeça deles quando da próxima vez cometem o mesmo erro de comportamento? as bolinhas vermelhas que o Quico traz como «castigo» pelo seu comportamento dentro da sala de aula, terão algum impacto no meu rapazinho?...a julgar pelo evidente à vontade com que me mostra o livrinho das bolas, não me parece que o veja como algo punitivo - até porque algo que se torna rotineiro deixa de ter efeito, certo?

E o Rafa? o castigo de lhe cortarem intervalos, não o deixarem jogar a bola ou mandarem escrever 60 vezes a mesma frase, tem algum poder dissuasor? duvido, caso assim fosse seria de esperar que por esta altura, nem sequer houvessem recados a avisar do seu comportamento «desajustado» dentro da sala de aula...

 

vamos entrar em mais uma semana de escola - mais castigos concerteza virão. Mais recados na caderneta...mais incompreensão sobre uma patologia que acreditem ou não, podemos controlar melhor com elogios e recompensas do que com castigos e punições!

 

Boa semana para todos




postado energia-a-mais às 09:09

De C. a 4 de Março de 2013 às 10:16
Não é fácil lidar com os castigos dados por outros. Digo mais, entendo-te e consigo meter-me um pouco no teu lugar.
O meu J. é uma criança "normal", no entanto eu sei perfeitamente que se lhe digo que não a algo tenho de ter uma explicação para lhe dar , caso contrário o não simplesmente é visto por ele como uma "birra de mãe" a querer impor-se. Ora eu, quando lhe digo não, segue sempre a explicação. Na família do meu marido, por muito que lhes diga que só não não chega, eles continuam na deles. Dizem-lhe "não!". E depois sai um "JÁ DISSE QUE NÃO!" ( já aos gritos). O miúdo responde " porque não não é razão", e simplesmente ignoram-no. O que dizer? Eu não entendo...porque nós adultos, também não nos ficamos com um simples não. Se me disseram não, eu pergunto o motivo. O meu J. já ficou de castigo à conta do não. ( castigo não dado por mim, mas sim pela avó e pela tia).
Devem existir regras sim. Mas devemos respeitar o próximo no seu todo. Deveria existir mais empatia.
E se me custava ver o meu J. ser castigado porque "custa muito dar uma explicação"...e não, ele não mudou com esses castigos. O meu J. deu uma lição e deixou de querer estar com esses familiares. Agora que mudaram de atitude as coisas voltaram ao normal. Não são os gritos que vão ajudar a seja o que for, e os castigos devem ser adequados a cada criança.

Enfim... espero que as coisas corram bem com os teus enérgicos. Entretanto é ter paciência e não dar demasiada importância aos recados que já sabes do que se tratam. Estar atenta aos teus ninos e pronto. Viver um dia de cada vez, com a maior calma possível no meio de tanta energia.

Abraço e boa semana ;)


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
que querem saber?
 
Março 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
21
22

24
25
26
27
28
29

31


disseram agora
Bem, vou directo ao assunto!!Sexta-feira, recebo u...
Boa tardeAlguem tem um feedback possitivo do curso...
Boa Noite. O Pai da minha filha está no Luxemburgo...
Gostaria de saber se conseguiu resultados com este...
Eu recebi pela primeira vez o abono no final do mê...
Boa tarde ,Inscrevi na semana passada a minha filh...
Obrigada. Espero conseguir. Bjs
Deve receber de facto agora em Janeiro os valores ...
Eu em Julho de facto recebi a 27 no entanto apenas...
Olá Marlene, o abono semestral (se a mãe tiver ren...
links
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro