Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

25.Abr.13

o espírito quebrou-se - ao que chegamos!

 

para mim sempre foi sinónimo de lutas travadas em nome de valores reais e de batalhas ganhas pela liberdade - o valor maior! O 25 de Abril sempre teve um significado de grande importância, mesmo tendo em conta que em 1974 eu tinha a bela idade de 2 anos {#emotions_dlg.chucha}

 

mas sendo eu ainda um bebé, isso não me impediu de crescer com a nítida sensação que vivi um momento histórico, cujo espírito a grande maioria do povo português, quis perpetuar ao longo dos anos seguintes. E lembro com memória fresca ainda, a primeira canção que trauteie nas grandes comemorações de rua «Uma gaivota voava, voava...» tema que por várias vezes serviu de canção de embalo!

 

Aliás as comemorações desta data sempre foram das mais importantes no calendário familiar - e eu, claro participava com entusiasmo, sobretudo no meu tempo de estudante, sempre confiante no valor cívico dessas ações. Mais tarde, mantive por exemplo a tradição de ser eu (e agora os meus filhos) a oferecer o simbólico cravo vermelho ao meu pai - sindicalista que muito lutou pelo direito dos motoristas de transportes de mercadorias. 

 

Nestes dois últimos anos, no entanto, foram tantos os atropelos aos ideais de Abril que o espírito se quebrou. E ficam as perguntas - vamos comemorar o quê? Que significado tem este 25 de Abril de hoje? O que vale?

 

para quem nos governa atualmente - vale seguramente pouco! mas para quem lutou pelo de 74, continua a valer muito. E compreendo a desilusão. Compreendo os que por razões de ideologia e ética se recusam a comemorar a data, pelo menos «oficialmente». Porque digam o que disserem, a sensação é a de que quem nos governa não nos respeita e isso sigifica não respeitar Abril...

 

Mas para que não digam que vejo isto pelo lado mais dramático, acredito que possamos repor os valores de Abril. Claro que não o fazemos sentados no sofá ou achando que alguém o fará por nós - temos mesmo de voltar ao instinto de luta da geração anterior e mostrar que os alicerces embora abalados continuam a ter força suficiente para segurar o espírito!

 

 

 

imagem tirada da net

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.