Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

18.Mai.08

Por trás das Câmaras

Correu lindamente a nossa aventura televisiva, isto é, daquilo que o telespectador se apercebeu, tudo correu bem, as crianças estiveram em estúdio, estavam apresentáveis e conseguiram ficar com a avó enquanto estive no ar...por detrás das câmaras foi outra história, bem ao nosso estilo.

Viajar de comboio (mesmo que em Alfa e com uma carruagem só para nós - parecia milagre!) não é nada fácil, tendo em conta que três horas com duas pestinhas imaginativas podem ser desgastantes. Claro que fui prevenida, muda de roupa (várias) para eles e para nós, fraldas, toalhetes e restante equipagem, bolachas, águas e muita paciência, mesmo assim entre o Francisco a lamber os vidros das janelas, a trepar pelas mesas de apoio para chegar á parte mais alta das luzes do tecto, a passar o chão com a camisola e outras habilidades, e o Rafael sempre ocupado com águas, neskuicks, bolachas, correr atrás do irmão, gritar para o revisor, posso dizer que fiquei super contente quando avistei Stª Apolónia.

Como tivemos a sorte de tudo estar bem organizado, fomos directos para os estúdios, aí foi vê-los deslumbrados (só por uns instantes, depois ambientaram-se e podia ter sido trágico, até porque é muito pior quando se julgam em «casa») e ansiosos por explorar mas mais uma vez a organização salvou-nos - que maravilhosa ideia aquela a de lhes darem uns carrinhos pois assim consegui vesti-los e a novidade do brinquedo ajudou a desviar atenções (um beijinho ás prestáveis e simpáticas Dulce, Joana e todas as meninas que sempre nos acompanharam e evitaram acidentes)

Com os minutos contados dum programa de TV em directo e por entre a azafama de entrar em estúdio sem esquecer algum deles, nem tive tempo de sentir o nervoso miudinho que só deu sinal já eu me encontrava sorridente ao lado da sempre óptima Júlia Pinheiro, a fazer olhinhos para os meus tesouros na primeira fila.

Da conversa pouco lembro e como não tenho cópia do programa nunca vou saber que tal me saí, mas isso também não interessa nada, orgulhosa fiquei dos meus meninos mesmo que dali a pouco só me apetecesse deixá-los na primeira estação pois o regresso com o cansaço a tomar conta de todos foi, claro está, uma verdadeira tortura