Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

Energia a Mais

A Hiperactividade vista à lupa

17.Fev.14

a retoma

 

 

da medicação, após a nova consulta do Quico está a ser mais dífícil do que pensava

 

 

os efeitos indesejáveis do meltefedinato, agora em ritalina 20mg, depois da primeira semana, continuam a ser notados. Dores de barriga, dores de cabeça, ausência de apetite...o Quico fica realmente mais atento e durante a manhã parece estar bem mais quieto. Mas para mim, ver a sua habitual boa disposição substituida por queixas não me faz sentir tranquila. Mesmo que da escola não venham os odiados recados, pesando o conjunto na balança, eu preferiria muito mais um Quico irrequieto, insatisfeito, saltitão, pouco atento a tpc...sem o ouvir perguntar a todo o tempo «mas porquê eu tenho de tomar esse comprimido mãe? doi-me a barriga, não quero comer, nem a lasanha...»

 

Será que as alternativas para uma PHDA, tendo em conta esta especificidade de cada caso, se esgotam, no que diz respeito à escola, na medicação? No caso do Rafa, nunca duvidei de que necessita da medicação, os resultados e reações dele próprio sempre reforçaram essa decisão médica. Mas no caso do mais novo, tenho mais dúvidas que certezas, até porque o neuropediatra fez questão de me explicar as diferenças entre os casos e aponta a imaturidade do Quico como o fator principal para as suas dificuldades de aprendizagem!

 

Por isso o Quico faz medicação apenas em dias de escola com interrupção nos períodos não escolares e como tem sentido muita falta de apetite (já tinha com o rubifen) o médico quer que faça maior controlo de peso nos próximos tempos e que faça um suplemento alimentar. Vamos ver mais esta etapa o que nos reserva na já longa batalha que nso afeta o dia a dia!

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.