A Hiperactividade vista à lupa

Quinta-feira, 11 de Setembro de 2014

 

 

em miúdos com PHDA, tranquilidade no regresso às aulas é algo que demora tempo e muita paciência (de pais e educadores)

 

Se para todos as outras crianças ditas «normais» já é complicado por vezes lidar com este retorno depois de tantas férias, imagine-se o que se passará numa cabecinha sempre a mil! o grau de ansiedade, o aumento das instabiliadde de humor, a dificuldade em regressar às rotinas e tudo o que faz parte desta época!

 

Para pais como eu, que tenho de lidar com este acréscimo de atenção e stress, algumas dicas (e por favor, quem tiver outras para partilhar, agradeço que as deixem por cá também {#emotions_dlg.smile})

 

 

Se a criança está a fazer medicação mas interrompeu no período de férias, não esquecer de introduzir novamente antes uma semana do início das aulas para que o organismo se habitue gradualmente. 

Insisto na ajuda preciosa das listas e de como a preparação diária das tarefas simplificam e evitam muitas das crises (birras) comuns a estes dias. Faça listas com a ajuda da criança e seja persistente na sua utilização!

A regulação do sono é fundamental, o horário de dormir deve ser cumprido rigorosamente! muitos pais acham que deitar cedo é ir para a cama à meia noite (!).  Em tempo de escola cá em casa nunca ultrapassamos as 22h30, mesmo com dois miúdos com PHDA e um deles com perturbação do sono diagnosticada aos 4 anos - esse é ajudado com medicação mas as rotinas de deitar são sempre a principal ajuda! Ter rotinas definidas e mesmo certos rituais a cumprir faz com que a hora de ir para a cama seja encarada com mais naturalidade - demora tempo a implementar (garanto) mas consegue-se! e a saúde de todos agradece!

Uma coisa que deve tentar sempre é antecipar as escolhas de roupas e lanches para a noite anterior. Deixar tudo pronto para na manhã seguinte ser mais fácil e mais cómodo para todos. No meu caso, foi preciso ajuda extra para que a hora de vestir não fosse um tormento sem fim (e posso garantir que quando digo tormento, é porque não encontro melhor palavra....durante muito tempo!). Fazer o Rafa obedecer à simples regra de vestir as peças de roupa ordenadamente obrigou-me a procurar estratégias mais originais. Os bonecos de feltro com roupa que se pode colar com velcro ajudaram imenso! são uma espécie de treino para estas crianças - saber que peça de roupa vestir, por que ordem e não esquecer nenhuma parte fundamental! garanto que funcionam.

Outra ajuda são os relógios de tarefas como este que desenhei para o Quico (obrigada Mafalda Queiroz pela dica e pela ajuda na construção). Uso imagens porque para ele é muito mais simples de entender (dado as suas dificuldades na leitura - aqui o importante é simplificar!). Um relógio que tem como função mostrar as mais importantes tarefas do dia (em casa) e cujos ponteiros é ele que vai mudando

 

  

 

Para crianças mais velhas (como no caso do Rafa) podem usar-se chek lists que se podem atualizar sempre que necessário (por exemplo para introduzir tarefas de responsabilidades - caso de arrumar o quarto, limpar a mesa, levar o lixo lá fora, etc.)

Não se esqueça também de reorganizar o espaço para estudo (se necessário) limpando tudo o que se foi acumulando em férias e proporcionando um ambiente acolhedor e mais favorável aos trabalhos de escola. Coloque um quadro de cortiça para anotar recados, datas de exames (testes) TPC, tarefas e recompensas. Ajuda a criança com PHDA a manter o foco!

E não abdique do tempo de brincadeiras com o seu filho! o tempo que passa com ele quando está em casa é precioso e pode mudar a atitude com a escola para melhor! seja proativo e tome a iniciativa de participar nas brincadeiras. Não massacre com perguntas de «como foi a escola» mas guie as conversas de forma a saber o que por lá se passou sem ser estilo interrogatório! e se os primeiros dias não correrem assim tão bem, não desista! vai ter um ano inteiro para implementar estratégias diferentes, lembre-se que a persistência é a chave do sucesso com estes miúdos!

 

Bom regresso à escola!

 

 

 

postado energia-a-mais às 12:06

Segunda-feira, 08 de Setembro de 2014

 

Começa hoje uma nova etapa

 

Nova escola, novos amigos, novo método de ensino! Também para mim como mãe, vai ser uma nova fase. Ter um filho numa escola privada é novidade!

 

São novas as expectativas, embora moderadas quanto ao otimismo...se bem que entre o que se passou na escola pública até agora, no que diz respeito à inclusão do Quico e da sua PHDA, e o que poderá vir a acontecer numa escola privada, algumas diferenças espero vir a encontrar!

 

Por cá darei conta das novidades, sempre na esperança desta partilha também ajudar outros pais que se debatem com as «diferenças» das suas crianças e do exigente «padrão» da escola pública que no nosso pais deixa muito a desejar!

 

 

 

desejo a todos um bom regresso às aulas, aqui fica o nosso «adeus» às férias!

 

 

 

postado energia-a-mais às 11:38

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

 

 

Qualquer pai sabe o «terror» que é levar os miúdos às compras....e os pais de crianças com PHDA, esses então, sabem que é uma tarefa digna de heróis {#emotions_dlg.blink}

 

 

 

  imagem da net

 

 

O que têm de diferente miúdos com PHDA quando colocados em sítios públicos de consumo? tudo!!! são uns furacões imprevisíveis perante as montanhas de solicitações e excitantes prateleiras repletas de óbvias tentações! por norma não vemos um miúdo com PHDA a fazer aquelas irritantes (mas normais) birras de bater com os pés ou punhos no chão, enquanto esperneiam e gritam. Se os vossos filhos são desses que vos fazem corar numa fila de supermercado, estejam descansados que não têm um filho com esta patologia. A diferença, a grande diferença, é que uma criança que tenha PHDA nunca vai esperar na fila {#emotions_dlg.sarcastic}! Ela pega o que quer e simplesmente corre para fora da loja. Ou tenta «despachá-la» logo ali....Nunca me esquecerei das corridas loucas que fiz atrás do Rafa, das caras de reprovação e das desculpas perante os seguranças que acabavam estafados antes de conseguirem pôr a mão num miúdo de 4/5 anos (e quanto mais velho pior, a diferença é que eu aprendi a controlar melhor a situação).

Portanto uma das dicas infalíveis é «evitar levar os miúdos às compras». No entanto há alturas em que simplesmente não se pode evitar e outras, como no regresso à escola em que será até bom para eles (para se aperceberem de custos, de escolhas possíveis e de gestão de necessidades) fazerem parte ativa do processo de compra.

 

Ora como fazer então para conseguir sobreviver a um dia de compras com eles?

Primeira dica - planear! tudo mesmo. Desde o local, o tempo que se prevê demorar em cada loja (optar por comparar percursos entre lojas caso não se escolha tudo num sítio só, até a localização dos produtos nas prateleiras). Lembre-se que uma criança com PHDA não consegue estar muito tempo num mesmo sítio, por isso faça uma gestão acertada das suas compras. Por vezes é preferível dividir por dias diferentes (um dia roupa e calçado por exemplo, noutro material escolar). No plano use todas as estratégias ao dispôr como a escolha atempada dos produtos através de catalogos ou site das lojas. 

 

Segunda dica - faça uma lista e «prepare» antecipadamente a cabecinha dos miúdos «não está na lista não é para ir ver/levar». A lista é uma aliada muito útil. Serve para que a criança tenha uma pré visão do que vai efetivamente comprar (para além de nos guiar a nós), pode ser usada no local como ajuda para manter a atenção da criança no que realmente interessa (é bom que seja a criança a levar a lista e assim fica mais atenta ao que levar, riscando o que é comprado, orientando-se melhor) e claro, evita compras desnecessárias. É um método eficaz sobretudo se for usado de forma persistente. Cá em casa uso listas para quase tudo com os miúdos pois é a única forma que tenho para que não se dispersem!

 

Terceira dica - estabeleça um orçamento e obrigue a que coloquem o preço do que compram à frente do produto. Ajuda a ter sempre as coisas controladas e é mais um método para reforçar a capacidade de atenção dos miúdos.

 

Quarta dica - saia da loja com eles se algo começar a fugir ao seu controlo. Nada de avisos no local «olha que saio já e ficas aqui com as compras, blá, blá blá....». Os avisos devem ser feitos antes de saírem de casa e reforçados à entrada da loja, depois, caso algo corra mal, deve simplesmente encaminhar-se para a saída e fazerem outra tentativa noutro dia.  Garanto que é preferível do que andar um dia inteiro atrás dum miúdo com PHDA, a correr com os sensores das lojas a apitarem quando ele cruza a saída com algo que agarrou ou a ter de se desculpar perante os gerentes....e sei bem do que falo!

 

Faça das compras um motivo de divertimento e encare-o como mais uma estratégia para ajudar a sua criança com PHDA a orientar-se melhor. Ao longo do tempo ele vai começar a ter mais noções de como usar estas ferramentas de controlo, será sempre um comprador impulsivo mas terá mais hipóteses de não se meter em «alhadas» quando adulto, se desde criança começar a controlar essa tendência com alguns truques como estes {#emotions_dlg.happy}

 

 

Boas compras!

 

 

 

 

 

 

postado energia-a-mais às 07:36

Segunda-feira, 16 de Setembro de 2013

 

...mesmo que certas vidas só andem a empurrão e em grande esforço!

 

depois do enervante período de pausa escolar, do desgaste de ter dois miúdos portadores de PHDA em casa e ter assistido ao desgaste dos avós que os tiveram de cuidar estes três últimos meses, está na hora de seguir em frente ao ritmo alucinante da vida aqui em casa....

 

agora liberta do tal contrato de emprego inserção, findo o direito a subsídio, é tempo de aclarar ideias e empurrar o barco. Continuo desempregada mas tenho agora o tempo por minha conta, sem imposição de trabalho comunitário e útil, tendo portanto maior utilidade para os meus filhos, sobretudo e para os meus pais que estão ambos a precisar de descanso!

 

arranca hoje o ano escolar, sob alguma tensão da minha parte, confesso pois a experiência até agora não tem sido muito animadora. De qualquer modo conseguir organizar o regresso dos miúdos à escola nunca é fácil mas tornei-me perita em esconder o meu nervosismo, mostrando-lhes otimismo e confiança, garantindo que estarei sempre pronta para qualquer batalha! 

postado energia-a-mais às 10:41

Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

 

Com o mês de Setembro a aproximar-se e as férias de Verão a terminarem, para milhares de famílias começa o ritual de compra de material escolar para o novo ano letivo. Um processo que pode ser penoso, especialmente, para a carteira e a conta bancária dos progenitores.

Um estudo do ano passado da Cetelem indicava que os consumidores portugueses inquiridos tinham a intenção de gastar em média 507 euros durante a época de regresso às aulas. Um valor que não é difícil de atingir tendo em conta o cabaz de artigos que muitos pais têm de adquirir. Além dos manuais escolares é preciso contabilizar a mochila, os cadernos, dossiers, canetas, lápis, réguas, esquadros, estojos, borrachas, etc.

É importante contabilizar também outros artigos complementares - como o fato de treino e os ténis para a ginástica. E à medida que o grau de escolaridade vai evoluindo, a fatura vai aumentando. O Saldo Positivo dá-lhe seis dicas a ter em conta para evitar que o regresso às aulas seja uma fonte de problemas para a sua carteira.

 

 

1. Prepare-se com antecedência:

As despesas com a compra de material de escolar no final do Verão são gastos previsíveis, no sentido em que as famílias sabem que nesta altura do ano têm sempre despesas adicionais com a educação dos filhos. Por isso mesmo, é aconselhável que os progenitores prevejam estes gastos com alguns meses de antecedência para conseguirem juntar um pé-de-meia suficiente para cobrir estes encargos. Por exemplo: há quem reserve o reembolso do IRS ou uma parcela do subsídio de férias do agregado familiar para pagar as compras do material escolar dos filhos.

 

 

2. Faça uma lista e veja o que pode aproveitar de anos anteriores:

Antes de rumar a um hipermercado para fazer as compras é importante fazer primeiro o trabalho de casa. Isto significa que deverá fazer uma espécie de inventário para perceber que objetos do material escolar dos seus filhos poderão ser reutilizados no próximo ano letivo. Ao mesmo tempo, faça uma lista de tudo o que precisa de comprar para evitar comprar mais objetos do que aqueles que os seus filhos realmente precisarão.

 

 

3. Estabeleça um compromisso com os seus filhos:

Outro ponto importante a ter em conta é a seleção do material escolar a comprar. Porque a diversidade dos materiais (e dos preços) é tão elevada que facilmente os pais perdem a noção dos gastos. Alguns especialistas aconselham os pais a estipularem um valor máximo de gastos com a compra de material por cada filho. Desta forma, se o seu filho quiser ter uma mochila mais cara, para compensar ele deverá ter de escolher umas canetas mais básicas e baratas. Desta forma, consegue ir ao encontro dos desejos dos seus filhos sem comprometer o orçamento da família.

 

 

4. Analise as promoções nos sites das editoras:

É já uma prática regular entre as editoras de manuais escolares: os consumidores que optem por fazer a encomenda de livros através do site das editoras podem beneficiar de descontos que variam entre os 10% e os 12% na fatura final. Algumas delas facilitam também o parcelamento do pagamento dos livros escolares, sem a cobrança de juros. Esta poderá ser assim uma opção a ter em conta para poupar alguns euros na época do regresso às aulas. Aliás, a internet pode ser uma boa aliada da sua carteira nesta época do ano, já que existem vários blogues que reúnem informação sobre os descontos e promoções que é possível obter na compra de material escolar um pouco por todo o País.

 

 

5. Pondere adquirir os manuais escolares em segunda mão:

Se o orçamento familiar já está muito apertado e não tem possibilidade financeira para comprar os manuais escolares novos, poderá adquiri-los em segunda mão. O portal de classificados OLX, por exemplo, tem uma secção dedicada exclusivamente aos livros escolares, onde estão disponíveis mais de 25 mil manuais escolares usados, desde o primeiro ano do ensino básico até ao nível universitário, com preços a partir de um euro. Não se esqueça, no entanto, que se trata de livros usados. Por isso, é importante dar atenção ao estado de conservação destes livros antes de realizar uma compra.

Mas há mais opções. Poderá trocar os seus manuais do ano passado por aqueles que necessita este ano. Isso é possível graças ao Movimento pela Reutilização dos Livros Escolares. Este movimento promove e divulga bancos de recolha e troca de manuais escolares em todo o País, de forma gratuita. Para saber onde se poderá dirigir para realizar a troca dos manuais escolares, consulte o site do movimento aqui.

 

 

6. Não se esqueça de pedir fatura para deduzir os gastos no IRS:

Outra questão importante a ter em conta é pedir sempre a fatura do material escolar que comprar para os seus filhos. Isto porque poderá deduzir estas despesas na próxima declaração de IRS que entregar. O fisco permite que as famílias deduzam 30% das despesas realizadas com a educação até a um limite de 760 euros. No caso das famílias com três ou mais dependentes, a este valor é também acrescentado um montante 142,5 euros por cada dependente.

 

 

texto retirado daqui


 


postado energia-a-mais às 13:34

mais sobre mim
que querem saber?
 
Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
27

28
29


disseram agora
Bem, vou directo ao assunto!!Sexta-feira, recebo u...
Boa tardeAlguem tem um feedback possitivo do curso...
Boa Noite. O Pai da minha filha está no Luxemburgo...
Gostaria de saber se conseguiu resultados com este...
Eu recebi pela primeira vez o abono no final do mê...
Boa tarde ,Inscrevi na semana passada a minha filh...
Obrigada. Espero conseguir. Bjs
Deve receber de facto agora em Janeiro os valores ...
Eu em Julho de facto recebi a 27 no entanto apenas...
Olá Marlene, o abono semestral (se a mãe tiver ren...
links
Passam por cá - desde 18/11/09
Passam por cá - desde 18/11/09

blogs SAPO


Universidade de Aveiro